"Fim do Mundo" 21 de Dezembro de 2012

sábado, julho 07, 2012

Marvel Versus Literatura Portuguesa

Ora boas. O tema desta semana é a junção de dois temas que há já muito tempo não se juntam. Conseguiram adivinhar, boys and girls? Exacto, é a Marvel Comics com a Literatura Portuguesa. Chego à conclusão que há personagens da minha adorada Marvel que são inspiradas em autores Portugueses de renome. Mas que ideia de merda é essa, perguntam vocês indignados? Passo a explicar:


Júlio Dantas / Homem-Aranha:




Júlio Dantas é o Homem-Aranha. A semelhança é impressionante.

O Júlio Dantas é o Homem-Aranha. Porquê? Porque sim. O blog é meu, eu digo as merdas que eu quiser, como se pode comprovar por todos os posts que escrevi. Mas agora a sério, entre outras coisas,como figura proeminente da medicina, poesia, dramaturgia e cona da tia (peço desculpe pelo chiste porco, mas queria algo que acabasse em "ia"), Júlio Dantas foi jornalista. Foi um grande evento na altura quando revelou a sua identidade secreta.


Júlio Dantas em 1929, a revelar a sua identidade secreta. Gentilmente cedido pela Torre do Tombo.

Foi amado e odiado por muitos, apesar do bem que fazia, e tinha um dono de revista/jornal que o odiava. Parece familiar? Almada Negreiros publicou em 1915 o Manifesto Anti-Dantas, uma das obras que mais risinhos maléficos provoca na juventude Portuguesa, porque é um chorrilho de insultos anti-dantascos, e que mais parece a vingança de uma ex-namorada que quis ridicularizar o antigo amante, com lindas frases como "(...)O Dantas nú é horroroso! (...) O Dantas cheira mal da bocca! (...) " e coisas muito mais bonitas, que lhe desejam problemas de saúde e lhe miscigenam a ascendência, o que na altura devia ser uma grande ofensa. Onde é que já vimos um director jornalístico a denegrir um herói nacional?


José de Almada Negreiros / J.Jonah Jameson:


As semelhanças são notáveis. Ambos usam gravata preta em camisa branca. Separados à nascença?


Nem é preciso muita habilidade para transformar uma foto de Almada Negreiros no J.Jonah Jameson.




 Nem no Salvador Dali.


 

Agora temos outra grande influência que a Marvel copiou da Literatura Portuguesa. A primeira família da Marvel foi inspirada directamente  num grupo dos nossos mais famosos poetas, que viviam todos não na Baxter Tower mas dentro da mente de uma só "pessoa". Que equipa será esta?






Exactamente! Numa era pré-prozac, era perfeitamente aceitável viver com mais "pessoas" dentro da cabeça, hoje em dia ser-se-ia submetido a electro-convulso-terapia seguido de uma lobotomia e drogas suficientes  para adormecer uma pequena cidade. Tipo o Vaticano.


Mas o que têm os Fantastic Four a ver com Fernando Pessoa e os seus heterónimos?


Ricardo Reis / Tocha Humana: A filosofia Epicurista do Carpe Diem assenta que nem uma luva, pois apesar da apatia e fatalismo de Ricardo Reis, ambos procuram os pequenos prazeres da vida, e se há alguém que sabe como se divertir é o Johnny Storm. E o fatalismo do Tocha Humana a sacrificar-se pela família contra um colhão de insectos da Zona Negativa mostra que ele aceita a morte se tiver mesmo que ser.


Álvaro de Campos / Senhor Fantástico: Estudou engenharia, é Futurista, é genial e o meu heterónimo personal fave. E fumava ópio que nem um cavalo que fumasse muito ópio. E as pernas de borracha após a droga também mostram as suas capacidades elásticas. Sabem como é que ele escolheu o nome de código? Baixou as calças em frente à Mulher Invisível, que exclamou logo "Senhor! Fantástico...".


Alberto Caeiro / Coisa: Só por ser o mais ligado à natureza, e sinceramente não há nada mais natural que um homem feito de pedra. E vai directo ao assunto, normalmente com um punho de pedra pela cara dos vilões.


Pessoa Ortónimo/ Mulher Invisível: Insert gay joke here, e relacionar com Almada Negreiros. Não vêem a mulher que há dentro dele? Pois não, é invisível. Tal como a Mulher Invisível, o mais poderoso do grupo. E é preciso sensibilidade feminina para escrever o que ele escreveu.


E para finalizar:


Cesário Verde/ Hulk:




É verde. Pronto, era só essa a piada. Desculpem, não tenho mais nada sobre estes dois.


Até à próxima semana! (lol)


Post Scriptum: Porque é que a mulher do Hulk se divorciou? Estava à procura de alguém mais maduro. Adeus.

terça-feira, junho 26, 2012

Tristiano Grunhaldo

 Peço desculpa pelo atraso, deixei-me dormir. O tema de hoje é MR12 como sempre, mas um bocadinho mais para o CR7. Para grande tristeza minha, vou falar do Cristiano Ronaldo. Supostamente, um ídolo a nível mundial para todos os meninos que gostam de futebol e para todas as meninas que gostam de meninos, com ou sem futebol à mistura.

Pessoalmente, eu não acho piada nenhuma a futebol, e acho uma seca tremenda. Notem como a partir deste momento, fui imediatamente considerado gay por todos os homens num raio de 5 Km!    Mas voltando ao tema, eu sei que o Cristiano Ronaldo é o idolo de e ganha milhões, mas para mim, se ele não jogasse futebol seria um chunga que andava aí a assaltar todos os míudos que saem das escolas, de bicicleta com mais uns 3 ou 4 amigos a dizer "Ó pute dáláí û êro". Sim, eu sou de Setúbal e disse chunga, sei que noutras zonas é mitra, mas esse nome lembra-me sempre Conan, e logo, inspira respeito.

Depois de ver o Ronaldo, pronto, não é por aí que se pega, mas depois de o ouvir, meu deus.

"Toma lá uma camijola cu tê nome. Tá? Vá." Tá, representante máximo de uma nação com 5 vezes a minha idade. Vá, baza lá pute", e depois o Ronaldo dava uma palmadinha desportiva no rabiosque ossudo do Shô Pzidente, que vestia a camisola por cima do fato e ia a correr jogar à bola com os amiguinhos. Seriously Ronaldo, não vos dão textos? Desiste do improviso.


E depois decidem ensinar o novo Acordo Fonético Português-Ronaldês num anúncio de shampô. "Maije Brilho", "Menes olujidade". É tão bom e internacional o Português dele que até os Brasileiros preferiram dobrar o anúncio.
                                     
 Gosto mais do "coceira". Que pena não terem decidido nessa versão do anúncio para cá para Portugal.
  É este o ídolo de milhões? Desde que não fale, e eu não tenha que o ouvir, por mim tudo bem. E sei que amanhã Portugal joga, já que a comunicação social me obriga a sabê-lo, e qualquer pessoa que converse comigo durante mais de 20 segundos me insiste em informar. E se eu respondo que não gosto de futebol, olham para mim como se estivesse vestido com um fato de polícia de cabedal no Blue Oyster Bar.  Mas sinceramente não gosto de futebol, e fico contente que o Ronaldo seja bom nisso e não gaste dinheiro à parva.  


http://www.jn.pt/PaginaInicial/Gente/Interior.aspx?content_id=1765363


Toalhas monogramadas? Só pode ser bom rapaz, quem tem toalhas monogramadas.  Enfim, que posso eu dizer, eu não tenho dinheiro como ele, e só tendo é que saberia, não é? São coisas dos ricos...

Next time, Mário! Next time!!Muahahaa...

quarta-feira, junho 13, 2012

Os jogos que nós cremos!

  Ultimamente no mercado dos videojogos sinto que já não fazem jogos para toda a gente, o que é uma vergonha. Há jogos de niche, que apenas os hardcore fans vão mesmo querer coleccionar, por isso decidi lançar  umas ideias para o ar, à espera que as grandes produtoras peguem nisto e ponham em prática as minhas sugestões. Ora um mercado no qual há uma enorme falta de investimento, será sem dúvida o mercado do público religioso, da faixa etária dos 50-99. Aqui vão umas ideias MR12, com as montagens feitas em Paint que gostei de vos habituar, ò meu fiel público (todos os 2).
Quem conseguirá converter mais fiéis?
 Multiplayer limitado a uma congregação apenas.



Quem disse que ir à Missa era uma seca ainda
 não jogou a isto! Corpo e Sangue do Senhor não incluídos.
A moda deste Verão! Descobre e captura o
teu  Aparicimal, treina-o e combate contra
os teus amigos! Fé não incluída.

Os nossos invisíveis amigos em combate! Cuidado com os
mísseis católicos de Nossa Senhora, Jesus! 

Acompanhe os mais famosos Padres do Mundo
nas mais belas Igrejas a nível mundial!
The Power of Christ compels you - To play!

Poderia também gerar uma gama de acessórios, como o HoWii-Mote. Peço desde já desculpa pelo sacrilégio. Desculpa Nintendo.

E com isto imagino a diversão que vai haver nas paróquias a nível mundial! Disputas pela mais alta pontuação no "Avé Maria"! E imagino ainda  o que vou sofrer no inferno por este post. Mas vale a pena para ver os sorrisos nas placas e dentaduras das viúvas deste país.Vejam os links que coloquei nos meujamigos na barra lateral, que os blogs deles são fixes, mais que o meu, o que digamos que de certeza que não é difícil.


Até para a semana! 
(Who am I kidding...)

quinta-feira, junho 07, 2012

Sequelas que causam sequelas (psicológicas)

Bowas!
Merda do Lex Luthor. Peço desculpa, mas fui arranjar uns canos em Metrópolis e acabei por viajar no tempo, donde só consegui voltar ao presente improvisando uma máquina do tempo com uma pastilha elástica, um clip e bosta de dinossauro. Ainda bem que ando sempre com bosta de dinossauro no bolso.
O senhor careca depois pediu-me desculpas, pois tinha-me confundido com outro super qualquer.

Ok, cropólitos à parte, vamos falar do que interessa. Não quer dizer que merda fossilizada com 100 000 quincolhões de anos não seja interessante, mas há outras coisas talvez com o mesmo interesse, como o post desta semana.

Sequelas. Não as psicológicas, mas aquelas a que me refiro causam-nas.
Eu tinha em mente um sobre filmes de animais merdosos, mas ao pesquisar vi que nem coelhos alguma vez se reproduziram tão rapidamente como um determinado franchise da Disney. Aqui está ele, o Champô 2 em 1 dos amantes de filmes de desporto e filmes de animais:



Não foi assim tão mau. Foi pior ainda. Pode despertar tanto a sweetness como uma diarreia intensa. É uma fórmula repetida à exaustão. Boy meets dog, they fall in love, o mau tem um plano qualquer, o rapaz e o perro salvam o dia.
Agora a cereja de merda no topo do bolo de merda é que o cão joga basket, melhor ainda que o menino, e ganham a 2Girls1BasketballCup qualquer da escola.

Mas porque é que eu me dei ao trabalho de sequer falar desta poia cinematográfica? Porque como qualquer poia que se digne há milhares delas, as quais tentamos evitar mas inevitavelmente pisamos. Gerou 5 sequelas, mas primam mesmo é pela originalidade das mesmas. Muda o desporto.
Não sei se o cão é o mesmo, mas se for, foi clonado e modificado geneticamente. Vamos então desenrolar o rolo de papel higiénico que a lista destes filmes é:



Air Bud sabor Futebol Americano. Air Bud conhece puto, ajuda puto a ganhar taça de Rugby com armaduras da escola. Porque será que não saiu na Europa?

Próximo na lista, ao gosto Europeu, o cão futebolístico. Não faz sentido, porque ele não tem fute para tocar na bol, mas ganha a taça de futebol da escola na mesma.
  Voltemos aos desportos que os Europeus não percebem, e desta vez ele agarra num taco e borra a carpete toda do dono. Ó, Air Bud, o genial em ti é que és tão diferente e ao mesmo tempo tão igual aos outros cães! Infelizmente o taco é de basebol. Quiero Taco Bell? No thank you! Air bud blá blá taça de basebol da escola.


Próximo? Vólei! Já agora podiam fazer dois, um de vólei de praia e outro de vólei normal! Já posso ir trabalhar com vocês Disney? Ah, e surpreendentemente, ganharam a competição de vólei, e levaram a taça para casa! Aquela casota deve ter imensos troféus para o Buddy mostrar às suas bitches.


Golden touch alright! Para fazer filmes destes e conseguir financiamento! Mas como vaso ruim não quebra, teve de haver uma outra sequela que não estava directamente ligada ao desporto. Deu a entender outra situação desportiva, mais especificamente aquele desporto que o Buddy não precisava de treino nem de equipamento, e que instintivamente teria de ser bom nele, senão não haveria mais sequelas, e a Disney ficava triste.



Wow, o Bud teve filhos! Ele não, mas uma cadela qualquer impressionada pelas taças todas. E são estereótipos, mas cães! Cãozinho gangsta, cãozinho Americano obeso, pink Paris Hilton bitch, cãozinho Budista e cãozinho porcalhão.  Mau, dizem vocês, meus fâs imaginários? Eles falam. Imagino os diálogos entre o gangsta e a do lacinho, devem ser extremamente filósoficos, do género "Bowow bitch, I gotcher bone right heah!". E se fizeram cãezinhos religiosos, porque não o cãozinho católico e o protestante? Alegrem-se, pois é o último. Talvez.

Até à próxima semana, num dia que me der jeito blogar.

segunda-feira, maio 28, 2012

Pleonasmo pleonástico

Hoje a SIC fez o meu dia começar mesmo bem.
"That was not the term you were looking for", diria um Sir Alec Guinness encapuzado. Eu sei que nem toda a gente é geek como eu, e tem pop culture suficiente para perceber aqui o erro, mas não acredito que no meio da equipa de produção da notícia haja alguém que não saiba o que é a ficção científica, ou que nunca tenha ouvido sequer falar de Star Wars. O meu inner e outer geek (100% mesmo)indignaram-se e resolvi , qual avô Simpson, decidiu escrever uma carta a expressar a minha indignação. Senhores da SIC que não sabem o que é a ficção científica: Um "Cyborg" é um ser humano que tem partes cibernéticas, por isso um cyborg robótico seria além de um pleonasmo estúpido, simplesmente um robô com peças robóticas. A não ser que o exército esteja a desenvolver um exército de vacas com partes mecânicas e com lança-mísseis dorsais e tetas com ácido sulfúrico (POR AMOR DE DEUS AVISEM O TOM GREEN!), duvido ver um cyborg animal, a não ser nesta bela obra de arte:
Muito bom, recomendadíssimo e capaz de extrair lágrimas em quantidades copiosas, especialmente a donos de animais de estimação. Mas voltando ao assunto, porque é que erram sempre nas definições de cyborg, robô e andróide? Um robô é uma construção com forma não definida, podendo ser humanóide ou não, um cyborg é um ser humano com partes cibernéticas, e um andróide é um robô construído para replicar a forma e interacção humana. Informem-se, por favor, senhores das notícias. Não há nada MENOS pleonástico do que um senhor das notícias mal informado. P.S.: Fiquei triste de não haver imagens fixes no Google de vacas cyborg com lança-mísseis dorsais e tetas com ácido sulfúrico. Isto foi o melhor que achei.

Será desta?

"Ora então boa noite!" ,disse ele com toda a moral que podia reunir ter após ter prometido que faria deste blog um hábito regular já há não sabia quanto tempo, e com cara podre suficiente para aparecer numa capa de um álbum de Iron Maiden, de um jogo de Resident Evil ou na parte social da revista "Caras". Ele sentia-se como aqueles maridos que diziam que iam comprar um maço de tabaco e depois fugiam com a amante de bunda grande e roliça, e que 7 meses,5 mil euros e um rim depois voltavam a casa com um ramo de flores para pedir desculpas. Após narrar esta introdução, algo que dá sempre um ar fancy, sinto que depois desta promessa devia passar uns anos em Paris a tirar uma duvidosa (pré?)pós-graduação. (Oh my, a political joke! Touchê!) Agora a sério, trato este blog de uma maneira que ele não merece, como uma tartaruga de estimação que sabe-se lá como ainda não está virada de pernas para o ar, mas o aquário com uma pequena ilha e uma palmeira de plástico já cheiram como a pessoa que aparece na capa do álbum dos Iron Maiden, ou na parte social da "Caras". Prometi muita coisa, mas desta é que vou fazer, E uma das primeiras pleonásticas prioridades é acertar o contador do Sponge Bob, porque o Sponge Bob é sagrado, qual fim do mundo qual quê. Vou começar devagarinho, mas com mudanças de jeito, e novidades e talvez mudança de nome, não prometendo ao estilo Pedro Passos Coelho. Pronto, acho que já cumpri a minha quota de piadas políticas anual. Até Breve!

sábado, julho 02, 2011

Procrastinação

Relativamente à minha assiduidade como blogueiro, bloguista ou bloguizador, tenho sido pouco constante, para dizer o mínimo. "S'tôra, a minha auto-avaliação é 2 mas eu acho que mereço um 3", diria eu se fosse um pré-adolescente, mas aos 28 anos, a desculpa da idade já não cola, tal qual um pega-monstro sujo com o qual brincámos tempo demais, e depois deixa marcas nojentas e com restos de cabelos no tecto e na parede. Procrastinei demais, adiei, mais uma vez fui como o Carlos da Maia e fui um Dandy. Tentei um novo projecto, tentei utilizar outra língua, mas não é a mesma coisa. Não há aquele conforto, aquela familiaridade, e pior de tudo, não posso fazer piadas acerca do Fernando Mendes. Mas a vida não são só brincadeiras, e está na altura de levar isto a sério. Se eu não me dedicando, consigo este número de views, tenho muita curiosidade em saber o que consigo se me dedicar. Este sempre foi o meu blog, pode não ser grande merda, mas é o MEU blog, e tal como umas meias velhas com as raquetes de ténis cruzadas, pode até ter um buraco para o dedo grande do pé, mas são muito confortáveis e acabamos por não ter a coragem de as deitar fora.E ficam a servir para pôr o óleo de cedro nas portas, mas depois quando sujamos os dedos no buraco que servia para o dedo grande do pé, deitamo-las fora num acesso de raiva, porque é difícil remover óleo de cedro das mãos.
De todas as vezes que parei de escrever neste blog, nunca consegui desistir de vez dele, nem apagá-lo. Por isso , não vou deitá-lo fora num acesso de raiva. Vou man up e encontrar os mesmos conteúdos sem conteúdo intelectual nem nutritivo nenhum, e continuar a incomodar as pessoas com a minha aparente livre carga horária. Vou manter um dia fixo para posts, e vou ter colaboração com um web comic da autoria da Mignon, podem ver o trabalho dela em http://www.facebook.com/pages/Mignon/206790562694874 ou em http://mo0nlit.deviantart.com/. Promete.
Esta semana que vem, anuncio os dias fixos para comics e posts. E como já passou a época de eleições, esta não é uma promessa vazia. Peço ao povo português, o voto não-eleitoral , porque senão repete-se a abstenção do costume, mas apenas um voto de confiança, em que vos vou continuar a trazer conteúdos pura e simplesmente estúpidos.

Até para a semana,

Super Mário 3

segunda-feira, maio 31, 2010

Milenário

Boas!

Não posso deixar de ficar admirado. Mais de 1000 pessoas que ficaram horrorizadas. Se este blog atraiu tanta gente, quer dizer que até quem sabe um dia talvez porventura será que pode até chegar a ser medíocre, ou até mesmo mais ou menos!
One can dream.
Tenho estado tão presente como pai neste projecto como o Dustin Hoffman no Kramer Vs. Kramer, daí só há alguns dias me ter apercebido do número de views.



Um grande obrigado a todos aqueles que acompanham o blog enquanto esperam que os tomates cresçam no Farmville, e os meus pêsames para quem joga Farmville. E agradeço também àqueles que se enganaram a clicar e foram dar ao blog. E sim, no Farmville, enquanto se joga os tomates crescem. E não vão diminuir enquanto se está viciado nessa bosta. A sério viciem-se noutras coisas mais saudáveis. E menos ridículas.
Para piorar a crise nacional, vuvuzelas. Ás 3 da manhâ.

E agora, as novidades.
Vão haver novidades. Muitas. Este blog vai mudar muita coisa. Eu depois anuncio, you just wait and see. E tenho de acertar o countdown do Armageddon.

Cheerios!